Publicados na categoria Pisa além da torre

Pisa além da torre

domingo, novembro 13th, 2011

Lógico que todo mundo conhece Pisa por causa da torre inclinada mas, tem muito mais tesouros a serem vistos. A cidade foi muito rica graças à sua proximidade com o rio Arno e por conseqüência, ao comércio marítimo. O apogeu conheceu um brusco declínio em 1284, na batalha de Meloria, onde mais de nove mil soldados foram mortos. E Pisa tinha no máximo 40 mil habitantes naquela época. 

A torre tem uma história muito interessante: em 1173, devido a fundação mal construída e um solo mal compactado, ela começou a inclinar-se já a partir do primeiro andar e isso se acentuou a partir do terceiro. A inclinação já era tão evidente que a obra foi interditada. Por cem anos! Foram necessários 177 anos para o término dessa linda construção em mármore branco, que se destinava a colocar os sinos da catedral da cidade. Quem retomou a construção em 1272 foi Giovanni di Simone cujo museu está na lateral da praça onde fica a torre. Não se surpreenda quando perceber que a linda igreja e o batistério também são inclinados. A guia contou que todas as construções em Pisa são um pouco tortas!

Existem sete sinos, um para cada nota musical e cada um fica em um andar. A altura da torre é de 55,86 metros no lado mais baixo e 56,70 no lado mais alto e o peso estimado é de 14.500 toneladas. Sua inclinação em 2007, já após as obras de restauração, era de 3,99 graus, ou seja, o topo está a uma distância de 3,99 graus de onde estaria se a torre estivesse corretamente na vertical. São 296 ou 294 degraus: no sétimo andar são dois degraus a menos de um dos lados. Entre 1900 e 2001 a torre teve obras de reforço estrutural, reaberta ao público e considerada segura por mais dois ou três séculos, embora sempre esteja em perigo por conta de sua exposição aos efeitos climáticos e ao grande fluxo de turistas.

A torre também é famosa por uma história contada pelo secretário de Galileu Galilei, que segundo ele teria jogado, do alto da torre, duas bolas de materiais diferentes para demonstrar que a velocidade da descida independe do peso da massa. Para a visitar, reserve com antecedência! São trinta pessoas de cada vez e dura no máximo trinta minutos. 

A construção da catedral “Domo” começou em 1664, sobre uma antiga igreja. A história dessa construção que foi paralisada e retomada com ajuda financeira do imperador bizantino é repleta de aventuras. Em 1595 um incêndio quase a destruiu e então, após a restauração, começou pouco a pouco a ser reformada. Recebeu portas de bronze e novas pinturas, contando com o apoio de uma associação dos cidadãos pisanos.  

A catedral é magnífica e surpreende por seu tamanho, pela riqueza dos mármores brancos e negros e a delicadeza e detalhamento das obras de arte, sejam elas em madeira ou em mármore. Os quadros que cobrem o altar principal retratam episódios do Antigo Testamento e um dos seus grandes tesouros é a urna contendo os restos mortais do santo padroeiro da cidade, São Ranieiri.

O Batistério é dedicado a São João Batista e chama a atenção pelo telhado ou melhor, pelo pedaço que falta dele. Rindo os italianos dizem que faltou dinheiro para terminar a obra ( o que já deve ter deixado de ser verdade a julgar  pela quantidade de turistas). Não estranhe o eco que é gerado, ampliando por alguns segundos o que se diz. Os batistérios foram construídos em grande parte porque na época o batismo era com imersão e muitos adultos se convertiam.

Reconheço que para mim, depois da Torre,  o ponto mais alto da visita, é o cemitério romano. Impressionante pela construção e mais ainda, por suas tumbas ainda preservadas.

Os romanos eram enterrados acima do solo, em tumbas lacradas e muitas ainda estão bem preservadas (vazias segundo a guia!!!!).

Os afrescos pintados nas paredes foram terrivelmente destruídos durante bombardeios equivocados dos americanos na Segunda Guerra.  

Um desses americanos ao visitar o local após os bombardeios ficou tão arrasado que iniciou uma enorme campanha para arrecadar fundos para a restauração do local. Graças a ele, em grande parte isso foi possível e em agradecimento, após sua morte, foi colocada uma placa no solo que conta essa história e assim o homenageia.   

O Museu Simone fica do outro lado do Campo Santo. Era um antigo hospital para os pobres e peregrinos e em 1976 foi transformado em museu para honrar o grande arquiteto, responsável pelas obras deste local sem igual, cujo turismo é a mola propulsora da economia local.

E é um turismo lindo, especialmente no final do dia quando sol faz brilhar o mármore branco das construções e a luz quase nos cega com tanta beleza.