Publicados na categoria A arte que supera a vida

O gênio de Vincent Van Gogh

terça-feira, junho 7th, 2016

Vincent Van Gogh nasceu em 30 de março em Groot Zundert, na Holanda e morreu em 29 de julho de 1890, em Arles (Auvers-sur-Oise) na França. Em www.wikipedia.com.br a cronologia de sua vida está descrita em detalhes. E aqui não quero falar muito de sua vida atormentada, mas falar um pouco mais de como, através do entendimento do homem, no registro das mais de 800 cartas que deixou, se pode entender a sua obra. A sua pressuposta loucura e depressão estão muito bem contadas no filme de Maurice Pialat – Van Gogh – lançado no Brasil pela Versátil Home Vídeo, que eu tive a alegria de ter traduzido.

Com a morte do pai, em março de 1986, Vincent vai viver em Paris, junto com seu irmão Théo, mais jovem que ele três anos. Os irmãos se pareciam muito fisicamente, mas, eram muito diferentes. A Théo faltava o gênio de Vincent, mas lhe sobrava espírito prático, senso comercial e uma grande facilidade de se relacionar com as pessoas. Théo começou a trabalhar na “Galeria Goupil” e rapidamente assumiu a gerência de uma filial em Montmartre e, cada vez mais, é este irmão que irá apoiar incondicionalmente a Vincent, acreditando desde sempre em seu talento. Théo Van Gogh era vanguardista e foi responsável por exposições de vários artistas impressionistas, embora não tenha conseguido obter sucesso na exposição que realizou para o irmão e nem tampouco, tenha conseguido vender algum dos quadros de Vincent que ele expunha regularmente na galeria.

A esta altura, Vincent havia mudado para algumas cidadezinhas no sul da França, próximas de Paris, em busca de sol e paisagens para suas pinturas. Durante todos estes anos foi Théo quem ajudou Vincent, enviando-lhe o dinheiro necessário para a sobrevivência e a compra de materiais de pintura.

Vincent em um dado momento (1888) pensou em criar uma comunidade de artistas e Paul Gauguin, que ele tinha conhecido através do irmão, foi morar com ele. http://pt.wikipedia.org/wiki/Paul_Gauguin.

É célebre a briga que tiveram e a reação de Vincent, que culpabilizando-se corta a ponta da orelha e a envia, ensanguentada, para Gauguin. O que encerrará para sempre a amizade de ambos e a idéia da comunidade de artistas. A internação de Vincent no sanatório de Saint-Rémy- de-Provence, é decorrência deste acontecimento. Embora hospitalizado, Vincent pinta quadros maravilhosos neste período, dentre eles o sublime Iris.

Johanna Van Gogh-Bonger, nasceu em Amsterdã em 4 de outubro de 1862. Completou os estudos de língua inglesa, se tornou professora e foi para Paris, onde encontrou Théo, ambos se apaixonam e se casam em 1889.

Em várias cartas anteriores ao casamento do irmão, Vincent já mencionava seu desespero e angústia por ser um “peso” para o irmão.

“…eu me sinto triste pois mesmo em caso de sucesso, a pintura não trará o tanto que ela custa… trará prazer à mãe, que seu casamento prospere e sua saúde e seu trabalho. É preciso não ficar só. Eu sinto que passou o desejo de casar e de ter filhos – e existem momentos em que me sinto tão melancólico por me sentir assim, com trinta e cinco anos. E às vezes eu detesto esta pintura suja. Foi Richepin que disse um dia : “  O amor pela arte faz perder o amor de verdade “. Acontece de eu me sentir já velho e machucado mas ainda assim, ainda suficientemente apaixonado demais pela pintura, para não me entusiasmar por ela. Para vencer é preciso ambição e a ambição me parece absurda. Ela resultará não sei em que. O que eu queria, sobretudo, era lhe pesar menos – e isto não será impossível no futuro – porque eu espero progredir de maneira que você possa, sem errar, sem se comprometer, acreditar (…)” 1887

Este sentimento de culpa se amplifica com o casamento do irmão e piora com o nascimento do filho de Théo, que aliás, se chamará Vincent, em homenagem, em vida, ao adorado irmão. Em maio de 1890, por recomendação do irmão Théo, Vincent vai para Auvers-sur-Oise, pois um médico – Dr. Gachet – havia sido indicado como excelente para o tratamento das alucinações e depressões de Vincent. Lá chegando, Vincent aluga um quarto em uma hospedaria “ l’auberge Ravoux”. Muitos quadros e muita angústia o levam a dar um tiro no peito em 27 de julho deste ano. Gravemente ferido e desenganado por dois médicos ele, a cada momento mais fraco, espera a chegada do irmão Théo. Quando este chega, passa toda a noite velando por ele e é segurando sua mão que Vincent morre em 29 de julho de 1890.

Vincent é enterrado em Arles, Auvers-sur-Oise e seis meses depois, em 25 de janeiro de 1891, com 34 anos, Théodore Van Gogh morre, louco, vítima de sífilis (ou de tristeza). Enterrado em Paris, algum tempo depois, seu corpo é transportado sob as ordens de Johanna, para ser enterrado ao lado do irmão Vincent. Dizem que ela mandou plantar girassóis ao lado da tumba de Vincent e quando o sol se recolhe, eles se curvam sob a lápide de Théo. Quando visitei a tumba, eles estavam lá…

E foi Johanna (Jo) van Gogh-Bonger, a cunhada de Vincent, a grande responsável pela organização e manutenção das aproximadamente 700 cartas que Vincent escreveu para Théo, além de seus outros pertences e quadros. É a ela que se deve a tradução para o inglês destas cartas, além da primeira exposição com 473 quadros de Vincent Van Gogh no Museu Municipal de Amsterdã, realizada em julho-agosto de 1905. Duas mil pessoas acorreram para vê-la. Ainda riram das telas dele. O que não evitou que o seu nome começasse a ser pronunciado de boca em boca como um fenômeno das artes holandesas, um dos gênios do mundo de hoje. Johanna escreveu também uma biografia sobre Vincent e a continuidade da preservação de sua obra foi feita por seu filho, Vincent.

A L&PM lançou a biografia no Brasil e assim escreveu a sinopse:

Biografia de Vincent Van Gogh por sua cunhada

Jo Van Gogh-Bonger (tradução de William Lagos)

Reconhecido após a sua morte como um dos mais importantes pintores de todos os tempos, Vincent van Gogh teve uma vida sombria, perpassada por crises de loucura e depressão. Este volume contém a preciosa biografia escrita pela cunhada Jo van Gogh-Bonger, mulher de Théo, as cartas de Théo ao pintor e a correspondência de Vincent com o pintor e a correspondência de Vincent com o pintor Émile Bernard prefaciadas pelo sobrinho Vincent Willen van Gogh (morto em 1974). Junto com o livro Cartas a Théo (Coleção L&PM Pocket, vol. 21), este livro, pela primeira vez publicado no Brasil, é um documento fundamental para a compreensão da vida e da obra tumultuada e torturada de Vincent van Gogh, esse incrível artista que vale tanto a pena conhecer!