Bernini um Grande Gênio

Apolo et Dafnie detail 3

Gian Lorenzo Bernini  – simplesmente Bernini nasceu em Nápoles em 7 de dezembro de 1598 e morreu em Roma, em 1680, aos 82 anos. Como Michelangelo, viveu muiito para sua época.

E como Michelangelo, foi pintor, arquiteto e escultor. Embora sua fama maior seja por causa de suas esculturas maravilhosas, que parecem ter vida. Em suas mãos, como um alquimista, ele transformava  o mármore , criando um  efeito de pele e de movimento e por isso,  a força de suas esculturas nos atinge profundamente até hoje.

Seu pai era um escultor mediano mas Bernini,  já na juventude com seus pequenos trabalhos encantava tal ponto que aos oito anos foi levado a Roma e depois de fazer um esboço de São Paulo, foi  considerado pelo Papa Paulo V, um prodígio.

Com isso foi admitido no Vaticano e certamente a escultura grega e as  esculturas com as quais convivia o influenciaram profundamente.

Em Roma, logo o Cardeal Scipione Borghese, sobrinho do Papa  Paulo V, se torna seu mecenas e ele realiza peças para o jardim da Villa Borghese e, mais tarde, parte de suas obras primas ficariam ali sediadas, atravessando os séculos, fazendo sua fama internacional e tornando esse pequeno museu ,uma visita obrigatória.

Bernini_Scipione_Borghese (3)

Nas mãos de Bernini as esculturas passaram a ter movimento e imitar a vida. Seu David está na Galeria Borghese e parece que a qualquer momento vai atirar seu disco sobre nós. Perto dele, até o David de Michelangelo parece estático.

Bernini-David_Borghese (3)

Outra obra emblemática na mesma Galeria é o Rapto de Proserpina que foi feito em apenas um ano! De 1621 a 1622. Nessa escultura o que vemos é a própria recriação da pele feminina. Como pode ele realizar isso? Essa é a pergunta que todos que admiram a obra se perguntam.

Berbibi_Rapto_fronte (3)

Berbibi_Rapto_detalhe perna_1 (3)

Em três anos, (1622 – 1625) outra obra prima, também exposta na Galeria Borghese – Apolo e Dafne, mostra o momento dramático em que Apolo, o deus da luz, desafia Eros o deus do amor para um combate. Apolo, ferido apaixona-se por Dafne, uma ninfa da água, que fizera voto de castidade. Dafne implora a seu pai que a proteja. Ele houve seu apelo e ela escapa de Apolo se transformando em loureiro. Bernini torna essa história de Ouvidio, um momento dramático e de rara beleza.

X

ApolloAndDaphne (3)

Entre tantos mecenas ( a maioria papas), foi o papa Urbano VIII o seu principal patrono. Foi ele que encomendou o baldaquino da Basílica de São Pedro. A obra é um marco para o período Barroco italiano e o bronze dourado, que forma as colunas salomônicas foi retirado do teto do Panteão.

Bernini_Baldaquino (3)

Essa obra vai acirrar ainda mais a inimizade que Borromini tinha contra Bernini pois a seu ver, ele, um arquiteto, por direito, deveria ter ganho o trabalho.

Bernini tem outras participações importantes na Basílica de São Pedro: a decoração da nave principal da versão atual da igreja, a cadeira de São Pedro no fundo do altar, as estátuas de São Longuinho e de Constantino ( imperador que oficializou o Cristianismo); o baixo relevo sob a porta principal, o túmulo da condessa Matilda e a Capela do Santíssimo Sacramento. Além dos túmulos de Urbano VIII e o de Alexandre VII.

Mas, a obra maior da Basílica são as colunatas (1656). Uma verdadeira perfeição. Olhando as 284 colunas, da lateral, parece que é apenas uma coluna, tão simetricamente estão posiionadas. Simbolicamente, dois braços abraçando os fiéis católicos.  No alto, 140 esculturas de papas, santos e mártires católicos, desenhados por Bernini e esculpidos por outros  artistas.

Bernini_Colunatas (3)

Outro papa, Inocêncio X, financiou uma das mais belas fontanas de Bernini: a Fontana dei Quattro Fiumi (Quatro Rios) que ficou pronta em 1644 e tem figuras representando os rios Nilo, Ganges, Prata e Danúbio. Todas elas parecem se apoiar no Obelisco Domiciano, de 17 metros de altura, feito no Egito, no século I, e restaurado por Bernini.Bernini_Fonte dos 4 Rios (3)

Bernini_Fonte 4 Rios noite (3)

Obelisco_Bernini_Fonte quatro Rios

Na agitada Piazza Barberini, mais duas fontes feitas pelo escultor. A mais famosa é a Fontana del Trintone (1643). Nela, Tritão, meio homem, meio peixe, bebe água de uma concha, numa cena dramaticamente barroca.Bernini_Piazza_Barberini (3)

Na Piazza di Spagna, em frente  à famosa escadaria, está a Fontana della Barcaccia (1627), em forma de barco, feita em parceria com seu pai, Pietro Bernini.

Bernini_De barcaccia (3)

Outras tantas obras de Bernini estão espalhadas por Roma.  Por exemplo, na Piazza del Popolo, nas reformas da Porta del Popolo e da da igreja de Santa Maria del Popolo (onde estão suas famosas esculturas dos profetas Daniel e Abacuc). No mesmo local Bernini colaborou na finalização das igrejas “gêmeas” de Santa Maria di Montesanto e Santa Maria dei Miracolo além do desenho das ruas em volta.

BERNINI_Igrejas gêmeas

Conta a história que Bernini, tão talentoso, tão disciplinado que entregava as obras no prazo e que não bebia, só tinha um vício: era mulherengo! Isso antes de ser obrigado a casar-se a pedido (!) do papa Urbano VIII.

O auge desse problema foi ele ter se apaixonado pela esposa de um de seus assistentes, Matteo Buonarelli e ambos teriam tido um caso. Enciumado, ele descobriu que também seu irmão mais jovem estava de amores com a dama em questão. Os dois brigaram e o irmão foi exilado, a dama presa depois de receber uma visita misteriosa que rasgou seu rosto. O visitante teria sido mandado por Bernini. Esse é o busto que Bernini fez de Constância Constanza.

Bernini-Constanza-Bonarelli (3)

Esse episódio foi o começo de uma má fase de Bernini. Uma derrocada. A seguir ele foi convidado a realizar um campanário para a Basílica de São Pedro. Apesar de saber que o terreno era pantanoso, aceita o desafio (talvez até porque sua fase não era boa) e constrói a primeira das torres. Poucios meses depois ela começa a se trincar e a demolição é inevitável. Bernini, pela primeira vez, é objeto de escárnio.

 A obra que vai resgatar seu prestígio, será mais uma obra prima: o Extâse de Santa Teresa (1646).

Bernini era um mestre em retratar expressões faciais. Ele teatralizava momentos através de suas esculturas e o Extâse de Santa Teresa é um exemplo máximo disso. A santa estaria em transe religioso, quando um anjo a transpassa com uma lança.

Nas palavras da Santa: “é uma espécie de ferida que faz parecer para a alma como se um dardo entrasse dentro do coração, e se sente como uma grande dor, mas que é muito voluptuosa e jamais se deseja que acabe”.

Bernini Extâse de Santa Tereza (3)

Séculos depois, há interpretações de que se trata do orgasmo e que Bernini, e só Bernini, teria conseguido retratar ou melhor, esculpir o prazer.

Bernini_Extase de Santa Teresa detail (3)

 Discussões à parte, a obra é maravilhosa. Tem uma luz, uma vibração tão intensa que permanece em nós após sua visão.

Sua última obra é um busto de Jesus como Salvator Mundi, em tamanho pouco maior que o natural e com a mão direita levantada em posição de bênção. A obra está  no convento de São Sebastião Fora dos Muros, na Via Ápia de Roma. Bernini a teria oferecido à  rainha Cristina da Suécia, que a recusou, afirmando não ter nada tão precioso para retribuir um presente tão valioso.

Bernini morreu em 28 de novembro de 1680 em Roma e seu funeral foi na Basílica de Santa Maria Maggiore.

Para nossa sorte, que hoje temos acesso a alguns episódios da vida de Bernini, dois anos após sua morte, a rainha Cristina, grande fã de Bernini, encomendou a Filippo Baldinucci que escrevesse sua biografia.

Bernini era bonito, carismático, talentoso. Um verdadeiro rei de Roma. Esse auto retrato é de sua juventude e o olhar já promete toda a intensidade que o caracterizou a vida toda. Um verdadeiro gênio!

Bernini,_self-portrait (3)

 

Tags:

Comentarios inativos.