Rio ou São Paulo?

Alguns dos meus amigos estão assustados e me perguntam: como você pode mudar para o Rio? E a violência? Deixar a sua família e…nós? A melhor resposta é o que senti hoje, voltando para São Paulo.  O avião sobrevoa a cidade e luzes pequenininhas se estendem como um tapete, até onde a vista pode alcançar. Num rasgo de generosidade do Universo a lua aparece. Plena, cheia de luminosidade e mistério.

As luzes vão aumentando e se transformam em casas, avenidas, prédios e ai são arranha-céus iluminados. São Paulo é linda de noite. Linda nesta chegada no aeroporto de Congonhas, em noite de lua cheia.

E a chegada ao Rio de Janeiro, pela manhã? É um dos mais lindos espetáculos de beleza natural que conheço. A visão do Cristo, o Pão de Açúcar, o imenso azul do mar… É como chegar na terra prometida: o oceano, as montanhas, o verde e então, a vida urbana.

Menos frenética que  São Paulo. Desde o taxista que deixa você colocar a mala no banco da frente, ao invés de sair e colocar no porta malas, como em São Paulo. Tudo é menos formal, menos servil e nós somos mais iguais, como deveríamos seraqui  na Terra ou em Marte.

Como posso responder aos meus amigos, quando acredito que o afeto não conhece a geografia? O sentimento de estar próxima dos meus irmãos, luz  da minha vida, seres que tanto amo, da minha mama e sobrinha, igualmente amadas e dos meus amigos, me reconforta. Mas para mim o amor, o afeto, de fato não conhecem geografias. Deixei uma parte de mim na França, representada pela minha pequena família Carli e os Fouquet, pessoas tão queridas, que estarão para sempre no meu coração. Sem falar nas amigas brasileiras, Marlene, Ana e Monica, que vivem por lá. Perto ou longe sempre estamos perto porque nos falamos, nos escrevemos, pensamos uns nos outros. É essa energia que alimenta o sentimento de amarmos e de sermos amados.  E na vida é isso que buscamos todos nós: amarmos e sermos amados.

Vivendo todas essas emoções, por analogia, penso  numa pergunta cuja resposta é tão difícil e sempre tão diferente para cada um: o que você gosta mais, do nascer ou do por do sol? Imediatamente penso no maravilhoso nascer do sol do Rio de Janeiro e nesse tapete de luzes, caleidoscópio da nossa São Paulo. Não posso responder se prefiro o anoitecer ou o amanhecer. Ambos me emocionam, amo os dois, como lados de uma  mesma moeda. 

Tags:

3 Comentarios para “Rio ou São Paulo?”

  1. Como assim? Que é que você está fazendo no Rio? Que horrível não nos encontrarmos e não sabermos das andanças de cada uma! Dê notícias!
    Sobre Rio ou São Paulo? São Paulo tá no coração, mas Rio seria por adoção sem dúvidas!
    Vamos nos falar.
    Beijos, querida.
    Déia


  2. Lecristiane

    Amei o texto e compartilho com você quando menciona família, amigos, distâncias e realmente não temos tudo ao mesmo tempo na vida, quando eu estava em São Paulo, sentia muita falta da minha família, agora que estou no Paraná sinto falta dos meus amigos do coração, mas os verdadeiros amigos permanecem eternamente em nossa vida e principalmente no coração.
    E você é minha amiga amada e querida irei visitá-la em qualquer lugar Rio, São Paulo, França, porque pessoas como você são insequecíveis.
    Desejo que curta muito esta cidade maravilhosa e aproveite a vida como sempre fez em qualquer lugar que estivesse.
    Bjs.
    Le


  3. Aninha

    Adorei o texto minha amiga. Uma parte de mimsempre ficara no Rio. Beijo enorme.