Paris é uma festa!

Muito já se falou sobre Paris, cidade mais visitada do mundo. Plena de charme, de vida, perfumes, história, a cidade merece todos os elogios que a ela são feitos. Pode esquecer aquele modelo de “francês é arrogante”. Na verdade, para falar inglês com eles é só evitar os muito mais velhos e procurar começar a sua conversa com um gentil “bonjour” (bom dia, até as 18hs) ou bonsoir (boa noite, após as 18h00). Depois pode engrenar no inglês que a maior parte entende e hoje, já muito conscientes do valor do turismo para a economia, procuram ajudar. Difícil elencar os passeios! Fiz uma seleção muito pessoal e espero que vocês gostem.

Como todas as listas, alguns lugares ficarão de fora não porque são passeios ruins – não existem passeios ruins em Paris –  mas porque sei que a maior parte de nós viaja com pouco tempo. Agora vamos lá porque Paris é uma festa! Aliás, o livro com esse título,  escrito pelo Hemingway quando ele morou em Paris é bem legal de se ler.  Como muitos outros escritores ele também se encantou com a cidade.

Torre Eiffel – construída para a Exposição Mundial de 1900, estava previsto que seria demolida logo após a exposição. Muitos não gostaram daquela estrutura enorme em aço e criticaram muito. Finalmente venceram os que adoraram o monumento que hoje é um dos mais famosos do mundo e símbolo da França. Um charme extra é a iluminação: além de lindamente iluminada o ano todo, nas festas eles criam efeitos especiais, vestindo a Torre de cores de um país, de um evento, enfim, ascendem de hora em hora sempre deslumbrante.

 La Bastille – marco da Revolução Francesa de 1768: ao libertarem os prisioneiros (que eram  poucos nessa época), os  revolucionários, chamados “sans culote” (sem calças) tomaram o controle da torre e até hoje é um local de manifestações. Também é aqui que se localiza uma das óperas de Paris, a l’ Ópera de La Bastille. Arquitetura linda, acústica excepcional e grandes espetáculos o ano todo.

Nesta praça ainda está um dos meus cafés favoritos: Café dês Phares (Café dos filósofos). Todos os  domingos pela manhã há um encontro com um filósofo ou escritor e o público participa de leituras e discussões. Se você não quiser participar e preferir ficar lendo e admirando as pessoas, fique tranquilo. Os franceses fazem isso!

Place de Voges –considerada uma das mais belas praças do mundo. Construída em 1605, foi local das bodas do rei Louis XIII e Ana da Áustria. Victor Hugo morou aqui e sua casa se transformou em um museu que vale a pena visitar.

Place Vendôme – você deve ir caminhando ao sair do Jardin de Luxembourg ou do museu L´Orangerie. Admire o famoso hotel Ritz, as vitrines das marcas mais famosas do mundo e quem sabe, arrisque perguntar os preços… 

Musée L´Orangerie – um pequeno museu muito especial porque abriga algumas das obras mais  expressivas e famosas de Monet, as Ninpheas. Quando foi procurado para autorizar a abertura de um museu em sua homenagem, Monet respondeu que permitiria, mas só quando ele morresse e deixou instruções para que os quadros ficassem numa disposição semelhante ao seu jardim, para que as pessoas pudessem vê-los como ele os via, sobretudo, com muita luz, marco principal do Impressionismo. O efeito é maravilhoso: são três salas onde as telas estão coladas em um ângulo de 360º graus e a luz os atinge diretamente através das claraboias do teto. 

Musée du Louvre – Tudo é maravilhoso! Se você só tiver tempo para uma visita mais rápida, escolha a Ala Richilieu. Nela estão: Mona Lisa, A Liberdade conduzindo o povo de Delacroix, diversas pinturas de mestres franceses (Ingrès entre eles), holandeses (Veermer e Rambrandt por exemplo) e outras maravilhas da pintura e escultura. Visite também a loja do museu. Desde joias inspiradas nas obras de arte, livros, posters, revistas até muitas e muitas lembranças da França.

Opéra de Paris – localizada num palácio memorável – Palácio Garnier – é a principal ópera de Paris, foi fundada em 1669 por Luis XIV, rei da França na época. Vale a pena visitar e se encantar com a arquitetura e décor interior.

Quartier Latin – Este local é outra jóia de lojas, marcas maravilhosas e foi durante muito tempo, o bairro mais “intelectual” de Paris. Eles ainda andam por aqui, mas os turistas costumam espantá-los! Jean Paul Sartre e Simone Bouvoir eram assíduos frequentadores do Café de Floire, que junto com o Café Les Deux Margots são deliciosos para sentar, pedir um café e ficar olhando a vida passar.  

Musée D’ Orsay – A história deste museu é bem incomum: o local era uma estação de trem, construida para a Exposição Mundial de 1900 e a arquitetura do local já é em si, uma obra de arte. Transformado em museu e aberto ao público em 1986, suas coleções reunem obras criadas entre 1848 à 1914. São esculturas maravilhosas, dentre elas Rodin e Camille Claudel, quadros impressionistas (Van Gogh, Monet, Manet) e muitas outras jóias provenientes dos museus do Louvre, Le Jeu de Paume e o Museu de Arte Moderna. 

Observe se no seu bilhete há indicação de alguma promoção: normalmente eles são válidos para desconto em outro museu ou acesso gratis à Opéra National de Paris.

Museu Rodin – era um antigo hotel (Biron) e Rodin morou lá por um período, mantendo também sua oficina de arte no local. Antes de falecer, doou suas principais obras além de quadros de Van Gogh, Renoir e Monet, de sua coleção particular. Grande parte das esculturas estáo expostas no jardim, incluindo O Pensador e As portas do Inferno.

Visite a sala dedicada às obras de Camille Claudel. Pessoalmente gosto mais dela como escultora do que dele, pois acho que as suas obras são mais plenas de sensibilidade e de acabamento. Vale conferir!

Jardin de Luxembourg – segundo maior parque de Paris, é um passeio maravilhoso, que tanto os franceses quanto os turistas adoram. Observe as alamedas repletas de esculturas ou simplesmente fique sentado em uma das cadeiras do jardim, olhando a fonte e lendo, num domingo de manhã. Você estará verdadeiramente em Paris!

Catedral de Notre Dame e La Chapelle – dois locais onde a história impregna as paredes, seja católico ou não, visite. Você vai se encantar.

 

Sainte Chapelle

Montmatre – Essa é a praça dos pintores impressionistas. Não deixe de visitar! Uma das mais belas vistas de Paris, não importa se dia ou de noite. Sente em um dos cafés e tome cidra num final de tarde, olhando os pintores criando caricaturas. O mundo fica melhor visto lá de cima! Além disso, no caminho, muitas e muitas lojinhas de lembrancinhas. Um dos melhores preços de Paris. Pode arrasar!

Montmartre&amigos mai13

E há uma curiosidade que quero compartilhar com vocês. Os franceses são do gênero fatalista. Não confundir essa característica com mau humor. Simplesmente eles não esperam o que não acham realista. Um exemplo que adoro é o ditado: “Não adianta procurar meio-dia às duas da tarde”… e é isso mesmo na vida! Eles têm até uma rua com esse nome: rua do “procurando meio dia”.

Agora o que eu adoro mesmo nos franceses é o amor que a grande maioria tem pelos cães. Eles são vistos em todos os lugares, desde as calçadas de restaurantes, até os salões de cabeleireiros…ou então, ficam com os donos das lojas, super comportados, como se fizessem parte da decoração.

Tags: ,

2 Comentarios para “Paris é uma festa!”


  1. Fernando

    Paris é uma festa mesmo, minha irmã! Como fã da cidade, meus parabéns pelas ótimas dicas. Na última foto, teve espaço até para o Milu, o cachorrinho do Tintin…


  2. Lecristiane

    Realmente recordar é viver.
    E com esta sua matéria tive a oportunidade de relembrar os momentos maravilhosos que tive em Paris e tudo por sua influência e também por causa das idas e vindas do aeroporto de Guarulhos, quando eu levava você para embarcar para a chamosa Paris.
    Obrigada pelas dicas.
    Um beijo.