VIAGENS

Colômbia – uma feliz surpresa

sábado, setembro 23rd, 2017

Esqueça todo aquele medo que dá quando ouvimos falar da Colômbia. Esqueça o narcotráfico e as Farcs, especialmente se você for para Bogotá e arredores.  Em Bogotá você vai encontrar muita polícia na rua e também seguranças privados,  por toda parte. Você acaba se sentindo mais tranquilo que em São Paulo!

A arquitetura é “organizada”. A maior parte dos prédios não ultrapassa dez andares, são de tijolinhos e quando um é mais moderno, não chega a chocar, ao contrário, se harmoniza.

A Candelária (bairro mais antigo) e o Centro histórico, abrigam igrejas de uma beleza interior estupenda: ouro e madeiras tão trabalhadas que surpreendem. As fachadas são sempre muito diferentes.

O teatro Cólon foi declarado patrimônio histórico e uma das maravilhas da Colômbia. Com toda razão!

Ainda no centro, visite o lindo e organizado Museo Del Oro. Mantido por um banco, cobra um ingresso simbólico e vale cada minuto da visita. Recursos audio visuais contam a história da nação, as formações geológicas, o ouro usado como oferenda pelas tribos indígenas e como elas foram a base da população da Colômbia. Uma justa homenagem de rara beleza.

 

Aproveite que os taxis são baratos (muito!) e encontre alguém simpático, normalmente  indicado pelo seu hotel. Nós encontramos o sr. Jorge, um colombiano falante, com muito conhecimento da história e hábitos de sua cidade, além de muito, muito honesto. Com ele fizemos uma viagem maravilhosa, até Zipaquirá e Villa de Leyva. Olhem como ele tem jeito de bonzinho!

Na cidade de Zipaquirá se encontra a primeira maravilha da Colômbia: a Catedral de sal. No mundo, além desta só existe uma outra, na Polônia. A energia é inacreditável e apesar dos 180 metros abaixo da terra, a ventilação é natural e a formação do sal nas paredes, surpreendente. O que também chamou a atenção foram os grupos de estudantes  que desde cedo já visitam os monumentos da cidade.

Ao longo do caminho, as cruzes vão contando a via crucis de Jesus, até culminar no altar.

 

Os indígenas são muito homenageados e lembrados como o início da nação.

A Plaza del Minero, na entrada na Mina de sal também é muito bonita.

Outra atração imperdível é o Cerro Monserrate. Com 3.131 metros de altura, tem uma vista deslumbrante. A subida pode ser com a funicular ou pelo teleférico, que é novinho!

Além da beleza natural, é muito importante destacar o santuário, a igreja, a via crucis de Jesus e a união espiritual que os Colombianos têm com Deus. A Virgem Maria é homenageada em muitas igrejas e neste santuário, a peregrinação é para venerar, além do Cristo caído, a Virgem Negra.

 

O artesanato local é muito rico, desde os brincos até as bolsas mas, as maravilhas maiores da Colômbia são suas esmeraldas!

A comida é muito gostosa. Dentre os pratos típicos bogotanos, o ajiaco santafereño é muito apreciado por eles. É uma sopa preparada com frango, batatas de diferentes variedades, milho e a especiaria “guascas”. Nós preferimos os frutos do mar (deliciosos) do restaurante da marca do café, o Oma.

Agora, o restaurante favorito é o Wok, no Parque 93. Comida com toque asiático e tailandês, preço justo, gente bonita e serviço muito caloroso. Um achado!

As panaderías (padarias) também são ótimas, com doces deliciosos e pãezinhos mais ainda!

Existem muitas atrações para se visitar em Bogotá, em especial: a Praça Bolívar,  Palácio de Justiça, Palácio San Carlos, Museo Nacional. Ah! O artista maior da Colômbia, Fernando Botero  tem seu próprio museu.

Vale a pena sentar num dos cafés da franquia Juan Valdez, tomar um delicioso café com biscoitos – manteguitas ou galetas e ficar olhando o pessoal bonito que fica por ali. Os colombianos são simpáticos, alegres e nos fazem sentir que estamos em casa. Uma feliz surpresa!

 

Honfleur um charme na Normandia

sexta-feira, junho 2nd, 2017

Honfleur 1

Essa cidadezinha especial da França, situada na Normandia, distante duas horas de Paris, existe desde o século XI. O porto se tonou passagem obrigatória para as mercadorias vindas de Rouen que se destinavam à Inglaterra.

Honfleur le port

É um charme de cidade, marcada pelo fim do Rio Sena e o começo do Oceano.  Durante a Guerra de Cem anos, Honfleur ficou nas mãos dos ingleses por trinta e dois anos, o que explica algumas influências locais.

As pequenas ruas são muito interessantes, parecendo labirintos e esta é a rua e fachada da prisão.

Honfleur rue de la prision

A cidade foi berço de muitos pintores, dentre ele um dos maiores pintores Impressionistas, mais conhecido por ter sido o professor de Claude Monet – Eugène Boudin.

Eugene Bodin Honfleur

O ideal é andar pela cidade com calma, tomar um aperitivo local – o Calvados – e depois almoçar olhando o porto. Não vá embora antes do por do sol. A cidade se ilumina aos poucos e é um espetáculo lindo e inesquecível.

Honfleur Calvados

 

Honfleur_le bateau

HONFLEUR-VIEUX-BASSIN-NUIT

Madrid – Um rápido olhar

terça-feira, outubro 20th, 2015

MUSEO DEL PRADO

Num edifício com arquitetura restaurada, datado de 1785, o Museo Del Prado possui o maior acervo de arte espanhola do mundo. El Grego, Goya e Velasquez estão muito bem representados e deste último, As Meninas é uma das obras mais emblemáticas. Além da arte espanhola, grande coleção de pintura barroca, italianam francesa e outras.  O museu é encantador.

MUSEO NACIONAL REINA SOFIA

É a casa de “Guernica” de Pablo Picasso, mas,  não fique só por ai. Joan Miró, Salvador Dali e outros estão presentes, além de nomes importantes da pintura e escultura moderna. Pare no café. É aconchegante, bonito e tem drinks maravilhosos! 

ESTAÇÃO DE ATOCHA

Alvo do atentado terrorista (11-M) de 11 de março de 2004, realizado pelo Al-Qaeda, esta verdadeira artéria ferroviária de Madrid, após o atentaado, teve um átrio projetado por Rafael Moneo http://pt.wikipedia.org/wiki/Rafael_Moneo e para cada morte do atentado, foi plantada uma palmeira. Embora com este simbolismo tão triste, o jardim torna mais agradável a espera pelos trens e humaniza a enorme estrutura de ferro e vidro que foi inaugurada em 1851, erguida por Alberto Palacios com ajuda de Gustave Eiffel.

BAIRRO DOS ÁUSTRIAS

Localizado no centro da cidade, este bairro retrata o espírito de Madrid. Possui casarios antigos, igrejas medievais e palacetes. O nome se deve ao período de soberania da dinastia de Habsburgo. Visite o mercado de San Miguel e aprecie as suas bancas de frutas. Sente-se num dos cafés e deixe a vida passar.

ESTÁDIO SANTIAGO BERNABÉU

É o estádio do Real Madrid. Com capacidade para 80 mil torcedores. Os turistas podem pagar um ingresso e visitar todo o estádio, conhecer a tribuna, os vestiários e a sala de troféus. Se você é aficionado, vale a pena.

 GRAN VIA

Trata-se de uma das mais importantes artérias da capital espanhola. Foi criada para odenar um pouco mais o crescimento da cidade no início do século XX. Diversos arquitetos trabalharam em suas diversas fases, assim alguns dos mais belos edifícios de Madrid estão nesta via.

PALÁCIO REAL

Juan Carlos I não mora mais neste palácio e sim no Palácio Zarzuela, nos arredores de Madri, mas, o Palácio Real, é uma visita imperdível. Erguido sobre uma colina (era um forte e, portanto, avistar do alto os inimigos era muito importante) à noite parece pairar sobre a cidade e é um monumento maravilhoso. Levou 26 anos para ser reerguido depois que um incêndio o destruiu e ao visitá-lo, conheça as Salas de Jantar, de Porcelana,  do Trono e a Galeria, entre outras atrações destes 135.000M2 ( maior palácio da Europa).

PARQUE DEL RETIRO

É o pulmão verde de Madrid. Muito visitado pelos madrilenhos e por turistas. Vale a visita.

PLAZA DE CIBELLES

A praça abriga a fonte da deusa grego-romana Cibelles, deusa da natureza e quatro dos principais edifícios da capital estão ali: Banco de España, os Correios, Palácio de Linares e a sede do Exército.

PLAZA MAYOR

No Século XV era palco de festas populares, julgamentos e execuções na época da Inquisição e posteriormente, palco de touradas. Atualmente é um lugar agradável para um fim de tarde em seus variados cafés. Aos domingos, a Feira de Antiquidades é muito freqüentada e a variedade de ofertas é enorme.

 PLAZA DE TOROS DE LAS VENTA 

Se você tem curiosidade pelas touradas ou pela arquitetura, visite esta praça que data de 1929.  Os arcos externos são de um estilo particular espanhol – neomudéjar – e grande parte da decoração foi feita com azulejos pintados à mão. Ao lado, o Museu Taurino.

PUERTA DEL SOL

Uma das mais animadas áreas da capital, lojas e cafés são seu principal atrativo. A praça é em formato de meia-lua o que lembra sua origem, a de entrada leste de Madrid.

Mônaco de sonho

sábado, setembro 6th, 2014

Mônaco, o segundo menor pais do mundo. Só perde para o Vaticano. São em torno de 30 mil pessoas, a maior parte francesa, que aliás é o idioma oficial, embora os antigos ainda falem o monegasco. É um dos endereços favoritos dos ricos e famosos. A beleza natural contribui para isso, o jogo liberado, as facilidades bancárias e claro, o magnífico Casino, projetado pelo francês Charles Garnier, autor da Ópera de Paris.

Aproveite para visitar as ruelas de Mônaco Ville, em especial a pequena Le Rocher ( a Rocha).  De lá você visita o Castelo dos Grimaldi e o Museu Oceanográfico de Mônaco. Magnífico passeio. Foi o renomado oceanógrafo Jacques Cousteau que dirigiu o local por mais de três décadas. A vista do pátio principal do castelo é exuberante e verdadeiramente incrível.

Monaco Castelo

 

Monaco enseada 2

O melhor para explorar o reinado monegasco é andar à pé porque as ruas são verdadeiros labirintos com saídas subterrâneas e tudo. E o melhor é que existem diversos elevadores ou escadas rolantes que nos levam aos vários níveis de Mônaco. Outra forma mágica de visitar a cidade é embarcar Azur Express que circula pelos principais pontos turísticos. Só não tente os táxis! Eles só param em pontos fixos. 

O curioso é que a praia é artificial! Composta de uma estreita faixa de areia que contrasta com o imenso mar azul . É linda.

0-2

O glamour de Mônaco ainda é presente, desde a década de 50, quando Grace Kelly, a linda atriz casou-se com o então Príncipe Rainier.

Albert II, seu filho, casou-se recentemente, com todas as pompas! Uma linda esposa que em muito lembra a sua mãe, morta tragicamente em um acidente de carro. 

Casamento-real-Monaco 1
O que salta aos olhos em Mônaco é a segurança. Câmaras por toda a cidade nos dão a certeza de que estamos sendo observados todo o tempo mas, para quem não tem nada a esconder, só traz segurança.

E, outra coisa que salta aos olhos, são os preços: do cafezinho no Café de La Paix aos hotéis. Mas o glamour vale a pena!

Quando for a Mônaco, aproveite para conhecer Nice. O aeroporto mais próximo é lá e a cidade é muito bonita.

Verona – uma capital romântica

sexta-feira, maio 23rd, 2014

Verona é a quarta cidade mais visitada da Itália, depois de Roma, Veneza e Firenze. Mundialmente conhecida por ser a cidade onde viveram os protagonistas de uma das mais belas histórias de amor mundiais: Romeu e Giulieta, das famílias rivais: Capuleti e Montecchi.

A cidade foi declarada patrimonio da humanidade pela UNESCO por causa de suas fortificações e ruínas romanas (possui a maior quantidade depois de Roma) e arquitetura urbana. Ah! E os vinhos de Verona (Valpolicella, Bardolino, Soave) são maravilhosos também, embora não sejam patrimônio histórico! A extração de mármore nos arredores também é destaque. O mármore que predomina é o vermelho ou rosa.

A casa de Giulieta (como se escreve em italiano), é mesmo a casa onde ela viveu. Os guias locais só não afirmam que a história e o amor deles existiu. Segundo a lenda, um escritor italiano já havia contado essa história, descrevendo a paixão dos jovens de famílias inimigas e depois, Shakespeare a adaptou, embelezando-a com seu talento. Fato ou não, visite a casa, coloque a mão no seio de Giulieta e tenha sorte no amor! Essa é a tradição. Se  você for muito romântico, pode deixar uma carta no muro ou na caixa de correspondências e agora, num dos computadores disponíveis. Giulieta responde!

Há muitos anos, voluntárias trabalham recolhendo as cartas, traduzindo-as e respondendo, em nome de Giulieta. Esse gesto simples, aumenta a aura de romantismo e já rendeu outras tantas histórias de amor. Mais recentemente, no filme Cartas para Giulieta.

A mais bela representação desse romance proibido é a mais antiga, a de Franco Zefferelli no seu lindo filme Romeu e Giulieta.

A imensa Arena, que era um anfiteatro romano, mede 139 por 110 metros e foi construída 30 anos antes de Cristo. Está quase intacta e  hoje são realizados espetáculos de música clássica e peças teatrais.

Outras duas praças lindas e imperdíveis: Piazza Bra com seus portões enormes ( em frente à Arena).

Na Piazza Bra, uma das melhores comidas, recomendação acertada do meu amigo Alessandro Segato (lógico…ele é “O” especialista), a Tratoria Giovanni Rana.

E a Piazza Delle Erbe, com arquitetura medieval,  que abriga o Mercado hortifruti enorme e um dos mais importantes da cidade. As frutas são lindas e …deliciosas.

Obras máximas da arquitetura romana são as Ponte de Castelvecchio e a Ponte Pietra, restauradas e maravilhosas de dia ou de noite. Aliás, a Ponte Pietra, durante a Segunda Guerra Mundial foi destruida e depois, reconstruida a partir das pedras que cairam no rio.

O centro histórico da cidade é muito visitado e  tem um charme especial.

Palazzo de Justiça – majestoso, lembra edificações gregas. Fica de frente para a Piazza Bra.

O Castelvecchio, é o mais imponente castelo, construido no do século XIV. Esta é uma das mais belas vistas da cidade.

A arquitetura romana é muito presente e as igrejas são fortes representantes do período.

Verona foi disputada pela França e a Austria durante muitos anos e os veroneses conseguiram expulsa-los. Essa garra também foi testada em 1239, quando a cidade foi completamente inundada e rapidamente restaurada. A arquitetura atual é moderna, alegre e colorida.

Verona tem um “ar romântico”, quase boêmio, que nos contagia. Ficar sentado olhando as pessoas passarem, bebendo um bom vinho, é quase uma obrigação!

Firenze beleza e arte na Toscana

quinta-feira, maio 22nd, 2014

Ainda que os etruscos tenham ocupado durante muitos séculos as colinas em volta de Fiesole, foram os romanos que fundaram Florença ou Firenze no século 59 a.C. No  século XIII a indústria têxtil e o comércio, apoiados num sólido sistema bancário fizeram de Firenze uma das grandes potências italianas. A família mais influente deste período eram os Médicis, uma dinastia de banqueiros muito ricos.  Esse domínio vai se estender até meados de 1737 e será sob essa dinastia, que grandes artistas da Renascença Italiana terão o necessário apoio para criar as maravilhas arquitetônicas e artísticas desse período. Michelangelo foi um desses artistas.

Há muito para se ver em Firenze. É preciso selecionar o que é imperdível se não tivermos muito tempo. Esta seleção é muito pessoal mas espero que agrade a maioria.

A Piazza della Signoria: coração da vida social e política florentina até hoje.  O Palazzo Vecchio, é uma obra imponente e visitar o seu interior é emocionante e vale a pena! O ambiente fica mais especial ainda por causa das esculturas romanas e das réplicas em frente ao Palazzo.  Lógico que o destaque é a réplica do incomparável David que é excepcional e considerada uma das mais belas esculturas do mundo. 

Eu adoro essa obra de Jean de Bologne –  Rapto das Sabinas (1583), principalmente quando sabemos que o artista, a exemplo de Michelangelo quando criou David,  usou um bloco de mármore defeituoso.

No pátio interno do Palazzo Vecchio observe a fonte, com a cópia do bronze de Verrochio.

A sala principal foi palco da histórica disputa de Michelangelo e Leonardo Da Vinci. Eles foram encarregados de pintar cada um uma parede. Finalmente a obra de ambos ficou apenas nos desenhos por razões diversas e foi Giorgio Vasari que, muitos anos depois,  acabou pintando ambas as paredes. Diz a lenda que a parede que Leonardo Da Vinci pintou com a Batalha de Anghiari  era tão maravilhosa que Vasari não teve coragem de destruir o que sobrou dela. Ele teria preservado a pintura entre duas placas de madeira, cobertas de cimento. Essa teoria é enfatizada por uma frase intrigante que Vasari deixou em um dos quadros: Cerca e trova ( procure e ache). Muitas tentativas já foram feitas para conseguir desvendar esse  mistério mas por enquanto nada foi provado pois a curiosidade esbarra no risco de destruir a obra atual. Só o tempo dirá! Abaixo copia do desenho deixado por Da Vinci. De fato, se tivesse sido concluída, provavelmente seria mais uma obra prima de Da Vinci.

Outro tesouro é a Ponte Vecchio. Literalmente já que é nela que está o maior comércio de jóias da cidade.  Construída em 1345 a partir de um desenho de um aluno de Giotto, Taddeo Gaddi, é o reduto dos joalheiros e aqui as pedras preciosas, os Muranos e brilhantes são lindos. Embora muito caros! Os Médicis, a família mais poderosa de Firenze, por questões de segurança, queriam atravessar de um castelo para outro e o arquiteto, pintor e escritor, Giorgio Vasari, construiu uma espécie de corredor sobre a ponte. Uma maravilha até hoje.

 

Galleria dell’ Accademia – É a academia de Belas Artes de Firenze  onde está uma das mais importantes obras de Michelangelo: David. A força dessa escultura emana e invade todo o espaço em que está e até dá vontade de tocar as veias que parecem saltar dos braços desse colosso. Surpreende ainda mais saber que foi realizado a partir de um bloco de mármore defeituoso. A obra teve o efeito de celebrar o triunfo da República sobre a tirania, atribuída pelo povo, aos Médicis e aos outros ricos da cidade. Mas, a Galleria tem muito mais para se admirar: a sala de esculturas grego-romanas e os quadros de Ghirlandaio, Boticelli, Filippino Lippi, entre outros.

Galeria degli Uffizi – concebida e iniciada com parte da coleção do rei francês, que invadiu a Itália, François I, esta galeria possui um dos maiores acervos de pinturas do Renascentismo e como os maiores pintores da Europa trabalhavam para os Médicis, você poderá apreciar obras de Giotto, Leonardo Da Vinci, Caravaggio, Rafael e Fillipo Lippi. Nesta galeria encontra-se uma das mais famosas pinturas de todos os tempos, O nascimento de Vênus de Sandro Botticelli. Em 1737 a última herdeira dos Medicis, Marie-Louise deixou para o povo florentino esse magnífico legado.

O Batistério – Artistas como Donatello e Brunelleschi concorreram com diversos artistas em 1401 para definir quem criaria as obras das portas desse lindo batistério. As Portas do Paraíso, como acabaram sendo chamadas,  são obra do jovem Lorenzo Ghiberti que ganhou o concurso e fez bonito!

O Batistério, para quem não sabe, existe porque era proibido a não batizados entrarem na igreja, e muitos adultos se convertiam, além das crianças, então precisavam ser batizados fora, para só depois entrar na igreja.

Nada é mais importante que a Duomo! A cúpula de Brunelleschi foi a maior de seu tempo (1463), com 463 degraus para se chegar ao topo. A vista é espetacular. Os afrescos do Julgamento Final são impressionantes bem como o altar. Esta é a quarta maior igreja da Europa em dimensões.

 

O Campanário era separado das igrejas e era onde se tocava o sino. Essa é uma obra maravilhosa, projetada por Giotto e realizada em mármore branco, verde e rosa, foi iniciado em 1334 com o próprio Giotto e só foi finalizado em 1359, 22 anos apos a morte do mestre.

Pallazzo Pitti – a construção é atribuída a Brunelleschi e começou em 1457, encomendado por um banqueiro muito rico, Luca Pitti. Ele queria um Palazzo que se rivalizasse com a família concorrente em riqueza e poder,  os Medicis. Por ironia, não conseguiu terminar a obra e com sua morte, os herdeiros arruinados venderam para os…Médicis. As salas são repletas de obras de arte do tesouro das famílias. Se você só tiver tempo para uma parte, visite a Galleria Palatina, que é a mais importante, com quadros dos grandes Botticelli, Veronese, Titien e outros mestres.

O jardim do Palácio Pitti já é uma obra de arte em si. Chama-se Jardim de Boboli e você deve comprar o ingresso para o Palácio e o jardim. Típico jardim italiano é considerado um dos mais bonitos do mundo, com esculturas espalhadas ao longo de alamedas, fontes e pequenos jardins quase que isolados dentro do imenso espaço. Por causa dessa configuração, nos dá a sensação de privacidade e é comum os italianos ficarem esticados ao sol, lendo ou conversando. Vestidos é claro!

 

Visite a gruta do Jardim. Logo na entrada à esquerda. Observe os horários em que abrem as portas e adentre a esse lugar mágico.

Réplicas das obras inacabadas, da velhice de Michelangelo, retratam o homem tentando se soltar da pedra, representando as emoções humanas.

Nenhuma vista é mais bonita do que a que oferece a Piazzale Michelangelo. Decorada com cópias das esculturas do artista, a esplanada atrai muitos turistas que chegam em inúmeros ônibus mas ainda assim, vale visitar porque é inesquecível olhar Firenze deste ângulo.

Firenze tem muitas outras maravilhas mas quero deixar um pouco do mistério para vocês descobrirem nesta cidade tão plena de cultura, de história, de um povo alegre que fica conversando animado nos bares das praças. Firenze é linda e é a porta desta maravilhosa região de sonho, a Toscana. Visite pela primeira vez ou volte: sempre vai valer a pena!

Deauville um paraíso Francês

domingo, outubro 13th, 2013

Deauville la plage

Deauville é uma das mais famosas estações balneárias da França. Distante apenas duas horas de Paris, é conhecida por ser, há anos, o destino dos famosos. Desde a “Belle Époque”, antes da primeira guerra, o balneário é chamado de a “Paris a beira mar”.

les-planches-deauville-parasol-cabine-615x313

Parece até que a praia não é frequentada pelo sol e pela areia fina, mas, sim, para ver e ser visto. As “cabines” são uma propriedade dificílima já que quem tem não vende e não há espaço para outras. Elas fazem o charme do “trottoir” de madeira, já que vários artistas são proprietários.

U

Deauville les cabanes

É possível caminhar ou percorrer a cidade toda de bicicleta, aproveitando a beleza dos jardins e da arquitetura, onde 555 prédios são inscritos como patrimônio arquitetônico.

Deauville et les fleurs

O festival de cinema da cidade, que acontece em setembro, também é um dos pontos altos das atividades da cidade.

O Cassino e as lojas de luxo, são outros atrativos.

Deauville Casino_de_Deauville

Outro destaque é a paixão equestre.  São dois Hipódromos maravilhosamente equipados. O luxo das partidas de pólo e a beleza das corridas de cavalos animam os verões em Deauville. Aliás, os cavalos sempre marcaram a história da cidade.

Deauville Le hipodrome

As corridas e os espetáculos equestres são marca registrada do balneário. Confira todas essas belezas!

O prazer da ilha encantada

 

Biarritz, os ventos, os astros e o mar

terça-feira, agosto 27th, 2013

Biarritz foi construída numa costa rochosa, no sudoeste da França, circundada pela Gironda e as praias de Landes. Inicialmente vila de pescadores, Biarritz se tornou um balneário frequentado pelos ricos e poderosos. Situada a 50 quilômetros da cidade espanhola de Saint-Sébastien é o coração da chamada região Basca que mantém vivas as tradições e o dialeto o que faz de seus cidadãos, franceses, mas, bascos primeiro! Se você ficou curioso, em basco a cidade se chama: Miarritze.

O lema da cidade remete a sua geografia e seu clima agradável :” J’ai pour moi les vents, les astres et la mer.” (Tenho por mim os ventos, os astros e o mar)

A Grande Praia e o Porto dos Pescadores são lugares lindos. Hoje a cidade é muito frequentada pelos turistas de outras regiões da França e do mundo, e em especial por surfistas já que as praias são ótimas para esse esporte.

Para conhecer a Plage Du Port Vieux (Praia do Velho Porto) vá com o trenzinho, aproveite a beleza do lugar e a linda vista de uma das praias.

O Grande Hotel de Biarritz é outro memorável passeio. Mesmo sem se hospedar, conheça, tome uma bebida olhando o mar e aprecie a arquitetura. É memorável. http://www.hotel-du-palais.com/?lang=pt

O Rocher de La Vièrge (Rochedo da Virgem) é o ponto alto da cidade. De um lado ele domina a baia de Biarritz e a Grande Praia, de outro a vista maravilhosa da Costa Basca até a linha das montanhas dos Pirineus.

O acesso nos primeiros tempos era feito por uma ponte de madeira ligando o rochedo a terra. Mais tarde foi substituída por uma passarela metálica realizada por ninguém menos que o engenheiro da Torre Eiffel, Gustave Eiffel.

Há uma antiga história que explica o lugar: em 1864 os pescadores de baleias foram pegos em alto mar por uma forte tempestade, forte como nunca vista. Eles pensavam que viviam sua última hora de vida quando uma luz forte os iluminou na direção do Porto. No ano seguinte os sobreviventes ergueram cruzes e uma estatua da Virgem Maria para agradecer por suas vidas e para protegê-los. É um lugar magnífico.

Em dias claros e cheios de sol, o encantamento é total: é possível ver a linda praia de areia branquinha, até o Phare de Biarritz (Farol de Biarritz).

Embarque porque vale a pena!

Roma sempre eterna

quinta-feira, maio 30th, 2013

Difícil selecionar do que falar sobre Roma. De fato um museu a céu aberto. Perguntei a um conhecido que havia visitado o mundo, qual o lugar que ele achava mais bonito. Ele respondeu que a beleza que Deus criou é o Rio de Janeiro e aquele que o homem criou, Roma. Talvez seja verdade. Aqui vai uma pequena seleção. Começando com Roma de braços abertos, numa das mais belas obras do escultor  Bernini, à espera os fiéis, dos infiéis e dos curiosos, desde sempre. A Praça da Basílica também é em si outro exemplo da perfeição de Bernini. Repare nas colunas ( os braços) dispostas de tal forma e com tal simetria arquitetônica que parece ser apenas uma, e a representação em metáfora dos braços abertos de Deus, abraçando seus fiéis é também uma obra que transcende a religião.

Galleria Borghese – É impressionante como num pequeno museu estão reunidas tantas obras valiosas. O parque onde está a antiga casa da riquíssima família Borghese é tranqüilo, cheio de bancos e esculturas e um ambiente muito familiar. Mas é o museu em que se transformou a casa que impressiona. Várias das obras primas de Bernini estão nesta Galeria e além disso, que já não é pouco,  possui alguns Caravaggio e outros renomados pintores. Como é um museu pequeno, não se chateie por não poder ficar muito tempo. Eles evitam muita freqüência em cada visita e há muita gente.

O Fórum Romano – obra  arqueológica da maior importância histórica. Neste local eram tomadas as decisões mais importantes na política além de grande atividade comercial.  As ruínas das Cortes de Justiça e do Fórum, com dois mil anos, causam profunda impressão.

Monte Capitolino (Campidoglio)

Monte mais sagrado de Roma, no século XVI teve uma reforma realizada por Michelangelo, que projetou a praça em forma de estrela e todos os edifícios que a circundam. A estátua de Marco Aurélio (cópia em bronze) que está no centro da praça, pode ser admirada, em sua versão original, dentro do museu.

ColiseuEste é o maior anfiteatro de Roma. Foi erguido no ano 72 depois de Cristo. É imponente não só pelo tamanho, mas como pela sensação que nos acomete: os sacrifícios humanos, especialmente dos cristãos, de fato aconteceram, não são  pura ficção hollywoodiana. Inúmeros gladiadores ali lutaram para salvar suas vidas ou conseguir sua liberdade. Como no filme de Ridley Scott “O Gladiador” – eles gritavam para o Imperador: “Aqueles que vão morrer lhe saúdam!”

Vittoriano – monumento erguido há cem anos, desprezado pelos romanos e muito visitado pelos turistas por causa de sua imponência, pela beleza do  mármore e por conta da vista dos terraços. Homenagem ao rei Emanuelle II, primeiro rei da Itália unificada. A aversão dos romanos é porque o consideram neoclássico demais e odeiam o formato: uma máquina de escrever.

Pantheon – Uma das mais antigas construções de Roma, mas muito bem preservada. Dizem que o projeto foi do Imperador Adriano (118 e 125 d.C).  A cúpula do templo mede 43 m, portanto 1 metro superior à da Basílica de São Pedro.

Museus do Vaticano – esculturas, salas e salas decoradas (a dos Mapas é imperdível), enfim, um lugar inesquecível e de uma carga emocional muito grande. Não perca a Sala de Rafael, a maravilhosa escultura de Laocoonte e claro, reserve a emoção suprema para a Capela Sistina. Michelangelo, que dizia que não era pintor e sim escultor, foi praticamente subornado e obrigado pelo Papa Júlio II a pintar o teto da capela. Ele superou-se naquela época e permaneceu insuperável em todas as épocas que se sucederam.

Basílica de São Pedro – não importa qual seja a sua religião a emoção é inevitável, ainda que pelo visão do que o homem pode construir. A riqueza dos mármores em tons rosa, do ouro, as obras primas de Michelangelo (sua Pietà está numa ala da Basílica), a cúpula maravilhosa, projetada também pelo mestre Michelangelo e o Baldaquino no altar, obra de outro mestre,  Bernini, são visões que emocionam nossos corações e que permanecem em nossas mentes.

Piazza Navona – Esta praça barroca é uma das mais famosas de Roma. Lá estão a  A Fontana dei Fiumi,  a igreja Sant’Agnese in Agone, de Borromini (arquiteto dos papas). Veja também a Fontana di Nettuno de  Bernini.  Aproveite para um café ou um galeto ali perto, eles são mais especiais que a pizza em Roma!

Fontana de Trevi – A fonte mais famosa de Roma (e ouso dizer, uma das mais famosas do mundo). De dia ou de noite, iluminada, ela é maravilhosa. Impossível sair de lá sem jogar uma moedinha com o pedido de voltar e sem lembrar-se do filme de Fellini, que a imortalizou: “Os boas vidas”.

Basílica de Santa Cecilia – obra do Século XVIII, em estilo medieval, é dedicada à santa da música, que foi martirizada neste local em 230 d.C. O altar possui mosaicos lindos e a história da santa é comovente.

Piazza e Basílica di Santa Maria in Trastevere – primeira igreja de Roma dedicada à Virgem Maria é magnífica por dentro e por fora. O interessante é que é um lugar  muito freqüentado pelos romanos também.

Paris é uma festa!

quarta-feira, maio 29th, 2013

Muito já se falou sobre Paris, cidade mais visitada do mundo. Plena de charme, de vida, perfumes, história, a cidade merece todos os elogios que a ela são feitos. Pode esquecer aquele modelo de “francês é arrogante”. Na verdade, para falar inglês com eles é só evitar os muito mais velhos e procurar começar a sua conversa com um gentil “bonjour” (bom dia, até as 18hs) ou bonsoir (boa noite, após as 18h00). Depois pode engrenar no inglês que a maior parte entende e hoje, já muito conscientes do valor do turismo para a economia, procuram ajudar. Difícil elencar os passeios! Fiz uma seleção muito pessoal e espero que vocês gostem.

Como todas as listas, alguns lugares ficarão de fora não porque são passeios ruins – não existem passeios ruins em Paris –  mas porque sei que a maior parte de nós viaja com pouco tempo. Agora vamos lá porque Paris é uma festa! Aliás, o livro com esse título,  escrito pelo Hemingway quando ele morou em Paris é bem legal de se ler.  Como muitos outros escritores ele também se encantou com a cidade.

Torre Eiffel – construída para a Exposição Mundial de 1900, estava previsto que seria demolida logo após a exposição. Muitos não gostaram daquela estrutura enorme em aço e criticaram muito. Finalmente venceram os que adoraram o monumento que hoje é um dos mais famosos do mundo e símbolo da França. Um charme extra é a iluminação: além de lindamente iluminada o ano todo, nas festas eles criam efeitos especiais, vestindo a Torre de cores de um país, de um evento, enfim, ascendem de hora em hora sempre deslumbrante.

 La Bastille – marco da Revolução Francesa de 1768: ao libertarem os prisioneiros (que eram  poucos nessa época), os  revolucionários, chamados “sans culote” (sem calças) tomaram o controle da torre e até hoje é um local de manifestações. Também é aqui que se localiza uma das óperas de Paris, a l’ Ópera de La Bastille. Arquitetura linda, acústica excepcional e grandes espetáculos o ano todo.

Nesta praça ainda está um dos meus cafés favoritos: Café dês Phares (Café dos filósofos). Todos os  domingos pela manhã há um encontro com um filósofo ou escritor e o público participa de leituras e discussões. Se você não quiser participar e preferir ficar lendo e admirando as pessoas, fique tranquilo. Os franceses fazem isso!

Place de Voges –considerada uma das mais belas praças do mundo. Construída em 1605, foi local das bodas do rei Louis XIII e Ana da Áustria. Victor Hugo morou aqui e sua casa se transformou em um museu que vale a pena visitar.

Place Vendôme – você deve ir caminhando ao sair do Jardin de Luxembourg ou do museu L´Orangerie. Admire o famoso hotel Ritz, as vitrines das marcas mais famosas do mundo e quem sabe, arrisque perguntar os preços… 

Musée L´Orangerie – um pequeno museu muito especial porque abriga algumas das obras mais  expressivas e famosas de Monet, as Ninpheas. Quando foi procurado para autorizar a abertura de um museu em sua homenagem, Monet respondeu que permitiria, mas só quando ele morresse e deixou instruções para que os quadros ficassem numa disposição semelhante ao seu jardim, para que as pessoas pudessem vê-los como ele os via, sobretudo, com muita luz, marco principal do Impressionismo. O efeito é maravilhoso: são três salas onde as telas estão coladas em um ângulo de 360º graus e a luz os atinge diretamente através das claraboias do teto. 

Musée du Louvre – Tudo é maravilhoso! Se você só tiver tempo para uma visita mais rápida, escolha a Ala Richilieu. Nela estão: Mona Lisa, A Liberdade conduzindo o povo de Delacroix, diversas pinturas de mestres franceses (Ingrès entre eles), holandeses (Veermer e Rambrandt por exemplo) e outras maravilhas da pintura e escultura. Visite também a loja do museu. Desde joias inspiradas nas obras de arte, livros, posters, revistas até muitas e muitas lembranças da França.

Opéra de Paris – localizada num palácio memorável – Palácio Garnier – é a principal ópera de Paris, foi fundada em 1669 por Luis XIV, rei da França na época. Vale a pena visitar e se encantar com a arquitetura e décor interior.

Quartier Latin – Este local é outra jóia de lojas, marcas maravilhosas e foi durante muito tempo, o bairro mais “intelectual” de Paris. Eles ainda andam por aqui, mas os turistas costumam espantá-los! Jean Paul Sartre e Simone Bouvoir eram assíduos frequentadores do Café de Floire, que junto com o Café Les Deux Margots são deliciosos para sentar, pedir um café e ficar olhando a vida passar.  

Musée D’ Orsay – A história deste museu é bem incomum: o local era uma estação de trem, construida para a Exposição Mundial de 1900 e a arquitetura do local já é em si, uma obra de arte. Transformado em museu e aberto ao público em 1986, suas coleções reunem obras criadas entre 1848 à 1914. São esculturas maravilhosas, dentre elas Rodin e Camille Claudel, quadros impressionistas (Van Gogh, Monet, Manet) e muitas outras jóias provenientes dos museus do Louvre, Le Jeu de Paume e o Museu de Arte Moderna. 

Observe se no seu bilhete há indicação de alguma promoção: normalmente eles são válidos para desconto em outro museu ou acesso gratis à Opéra National de Paris.

Museu Rodin – era um antigo hotel (Biron) e Rodin morou lá por um período, mantendo também sua oficina de arte no local. Antes de falecer, doou suas principais obras além de quadros de Van Gogh, Renoir e Monet, de sua coleção particular. Grande parte das esculturas estáo expostas no jardim, incluindo O Pensador e As portas do Inferno.

Visite a sala dedicada às obras de Camille Claudel. Pessoalmente gosto mais dela como escultora do que dele, pois acho que as suas obras são mais plenas de sensibilidade e de acabamento. Vale conferir!

Jardin de Luxembourg – segundo maior parque de Paris, é um passeio maravilhoso, que tanto os franceses quanto os turistas adoram. Observe as alamedas repletas de esculturas ou simplesmente fique sentado em uma das cadeiras do jardim, olhando a fonte e lendo, num domingo de manhã. Você estará verdadeiramente em Paris!

Catedral de Notre Dame e La Chapelle – dois locais onde a história impregna as paredes, seja católico ou não, visite. Você vai se encantar.

 

Sainte Chapelle

Montmatre – Essa é a praça dos pintores impressionistas. Não deixe de visitar! Uma das mais belas vistas de Paris, não importa se dia ou de noite. Sente em um dos cafés e tome cidra num final de tarde, olhando os pintores criando caricaturas. O mundo fica melhor visto lá de cima! Além disso, no caminho, muitas e muitas lojinhas de lembrancinhas. Um dos melhores preços de Paris. Pode arrasar!

Montmartre&amigos mai13

E há uma curiosidade que quero compartilhar com vocês. Os franceses são do gênero fatalista. Não confundir essa característica com mau humor. Simplesmente eles não esperam o que não acham realista. Um exemplo que adoro é o ditado: “Não adianta procurar meio-dia às duas da tarde”… e é isso mesmo na vida! Eles têm até uma rua com esse nome: rua do “procurando meio dia”.

Agora o que eu adoro mesmo nos franceses é o amor que a grande maioria tem pelos cães. Eles são vistos em todos os lugares, desde as calçadas de restaurantes, até os salões de cabeleireiros…ou então, ficam com os donos das lojas, super comportados, como se fizessem parte da decoração.